Publicado em Deixe um comentário

Entrevista com André Araújo, autor de A Escola do Rio

AlfaOmega: Seu livro A Escola do Rio – Fundamentos políticos da nova economia brasileira trata de economia ou de política?
André Araújo: Trata de economia política, ciência um pouco enfraquecida nos nossos debates econômicos, hoje muito voltados para o economics, ou seja, práticas de operação da economia. A economia política se ocupa da gênese dos processos econômicos, e nesse sentido recorre mais à história e à vida social do que à teoria econômica.

AlfaOmega: Nessa visão, exposta no seu livro, o Plano Real foi uma operação essencialmente técnica ou uma manobra política?
André Araújo: Foi a aplicação na realidade brasileira de uma subideologia, gestada nos anos 40 e 50, que via o Brasil como país subordinado a um sistema maior, construído a partir do fim da Segunda Guerra, percepção que por sua vez está enraizada no liberalismo clássico da Escola inglesa. Por essa concepção, o Brasil não deveria procurar ser uma potência industrial porque sua vocação seria essencialmente agrícola e mineral. Essa posição não é nova, governou o Brasil desde o descobrimento até a Revolução de 30. Foi Vargas quem implantou uma outra visão de país, criando as bases da indústria e do nacionalismo econômico que construíram o Brasil moderno. Sem essa mudança de rumos, o PIB brasileiro seria hoje muito menor e nosso país seria uma grande Guatemala, vivendo da lavoura e da exportação de alguns minérios.

Alfa Omega: E onde aparece nesse quadro a Escola do Rio e o Plano Real?
André Araújo: Meu livro tenta traçar uma linha ideológica coerente entre essa visão de um Brasil semicolonial, agropastoril, que existiu até Vargas, e a Escola do Rio, herdeira dessa idéia de um Brasil inteiramente dominado pelo capital estrangeiro, justificada pela crença de que somos um povo de incapazes, que necessitamos da direção vinda de fora. Os idealizadores desse Brasil hoje se aglutinam na PUC-Rio e na Escola de Pós-Graduação em Economia da Fundação Getúlio Vargas. Getúlio Vargas que por ironia da história empresta seu nome para o desmonte de sua era. Esse grupo de pensamento coerente e ideológico concebeu, aplicou e opera hoje o plano de estabilização monetária, base do atual governo social-democrata.

Alfa Omega: Quer dizer que o Plano Real não é um moderno processo de estabilização e gestão econômica?
André Araújo: É também isso, mas suas bases teóricas vêm de longe, têm raízes mais profundas na história do pensamento econômico brasileiro. O debate ideológico sobre qual deveria ser o grande rumo da economia brasileira nasceu nas décadas de 30 e 40, com duas grandes correntes antagônicas. Eugênio Gudin, o fundador dos estudos econômicos no Brasil, o patrono dos economistas brasileiros, sempre defendeu intransigentemente a total abertura da economia brasileira, tanto ao investimento como à importação. Seus fiéis seguidores governam hoje o país e estão aplicando seus ensinamentos.

Alfa Omega: E por que o nome a “Escola do Rio” é dado a essa corrente de pensamento econômico?
André Araújo: Porque é no Rio que – desde a vinda da corte portuguesa ao Brasil e desde a abertura dos portos, na verdade, à importação inglesa e não a todos os países como se ensina tolamente nos livros didáticos – se centra uma visão desse Brasil enfeudado e vassalo do exterior. O grande perdedor no confronto entre uma idéia de Brasil industrial e outra idéia de um país atrelado a um sistema subordinado é São Paulo. Não é por acaso que em São Paulo os efeitos do plano de estabilização mais se fazem sentir, com o desmantelamento de seu parque industrial, construído na era Vargas.

Alfa Omega: Por que as grandes universidades paulistas não entraram nesse debate, em defesa dos interesses do Estado e do povo de São Paulo?
André Araújo: São Paulo tem grandes escolas de economia, mas nenhuma lidera uma forma ideológica e coerente de pensamento econômico, com exceção talvez da Unicamp, hoje a fortaleza do pensamento econômico estruturalista antagônico ao neoliberalismo radical da Escola do Rio. No Rio também existem focos de resistência ao neoliberalismo radical, como o Instituto de Economia Industrial da UERJ, mas não mostram influência na política econômica atual, apesar de seus valorosos pensadores.

Alfa Omega: A Escola do Rio trata do “neoliberalismo radical”. O que significa esse termo?
André Araújo: O neoliberalismo radical traduz uma visão exacerbada e quase alucinada do neoliberalismo, indo além do que o próprio país central do sistema pratica. Os Estados Unidos, por exemplo, não são um país escancarado às importações. Ao contrário, brigam como leões, com instrumentos tarifários e não-tarifários, contra as importações que os prejudiquem. Conseguiram paralisar nossa exportação de suco de laranja com uma sobretaxa absurda e irremovível. Do mesmo modo, não são tão liberais no controle de sua economia. As hidrelétricas americanas são estatais e não se cogita de sua privatização, porque são consideradas estratégicas (assim como no Canadá). O que é privado é a energia termelétrica, construída por capitais particulares. Nós estamos vendendo tudo, estratégico ou não, e vendendo mal e para os financistas estrangeiros que, ao fim desse processo, controlarão todos os serviços públicos, telefonia, Embratel, ferrovias, saneamento e provavelmente a Petrobrás e o Banco do Brasil, com o sistema bancário já em avançada desnacionalização. Há um desfecho para o plano de estabilização previsto em A Escola do Rio.

Alfa Omega: Como é esse desfecho?
André Araújo: Não se trata aqui de opinião subjetiva. Uma escola hoje esquecida de pensamento econômico, a Escola Histórica alemã, vê os processos econômicos como determinados pela histórica e pela política. Por essa ótica, o desfecho do Plano Real será um novo e custos processo de ajuste para redirecionar a economia para dentro, única forma de gerar emprego e crescimento. O capital estrangeiro e principalmente o capital volátil que financia hoje o Brasil nunca será o eixo de um grande país, como a história dos países já demonstrou. No áspero mundo das relações internacionais, ninguém ajuda ninguém e cada um deve prover seu futuro, principalmente os grandes países estratégicos que não precisam depender de capatazes de fora. O Plano Real é portanto um desvio histórico do caminho nacional e o Brasil deverá voltar ao leito natural de seu caminho independente. O tempo dos processos históricos é imprevisível, mas podemos intuir suas tendências e é isso que o livro procura demonstrar.

Alfa Omega: Podemos dizer que A Escola do Rio é uma obra sobre a atual economia brasileira?
André Araújo: Não. O livro enfoca a história do pensamento econômico brasileiro e uma ideologia que é fruto da corrente desse pensamento que hoje dirige a economia e, por via de consequência, a política de governo no Brasil.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *