Publicado em Deixe um comentário

Entrevista com Ivan Godoy, autor de Polônia.

Entrevista a Antônio do Amaral Rocha

Alfa Omega: Caro autor, o senhor já escreveu sobre a Alemanha, Argélia, União Soviética e Bulgária, entre outros, sempre traçando um perfil detalhado dos países e agora escolheu a Polônia. Por que a Polônia?
Ivan Godoy: É um país fascinante, que deu ao mundo figuras como Chopin e Rubinstein, na música; vários ganhadores do Prêmio Nobel de Literatura, cineastas como Wajda, Polanski e Kieslowski, cientistas como Copérnico e Madame Curie, líderes políticos e sindicais como Lech Walesa e um dos papas mais marcantes de todos os tempos: João Paulo II. Além disso, tem uma história milenar de luta pela independência e pela conservação de sua identidade nacional. Lá ocorreram fatos decisivos, que influenciaram a evolução de toda a Europa, como a a batalha de Grunwald, em 1410, em que foram derrotados os Cavaleiros Teutônicos. De lá partiram as tropas de Napoleão para a invasão da Rússia, que marcou o começo do fim do imperador francês. E lá foi iniciada a Segunda Guerra Mundial, em 1939, quando as forças nazistas invadiram o território polonês. Mas principalmente foi na Polônia que surgiu o Sindicato Solidariedade, que deu a largada para o processo de mudanças que pôs fim ao bloco socialista – e portanto à divisão da Europa em dois sistemas antagônicos – e teve como maior símbolo a queda do Muro de Berlim.

Continuar lendo Entrevista com Ivan Godoy, autor de Polônia.
Publicado em Deixe um comentário

Entrevista com Ivan Godoy, autor de Argélia Tradição e Modernidade

Alfa Omega: Seu livro é uma reportagem, um ensaio ou um diário de viagem?
Ivan Godoy: Tem um pouco de cada gênero. É o produto de muita pesquisa e de duas viagens à Argélia, que unidas a dez visitas a outros países árabes — sempre como jornalista — me deram as condições para entender um pouco a mentalidade, a cultura e a sociedade desses povos. Falei com muita gente, autoridades, políticos e intelectuais, tanto do governo quanto da oposição, acadêmicos e principalmente pessoas comuns, para poder sentir o que pensam os argelinos do seu país e do mundo. Visitei muitos lugares, de grandes cidades até lugarejos em pleno Saara. Aliás, sobrevoei o deserto numpequeno avião, o que me deu aquela sensação de como os seres humanos somos pequenos diante da imensidão da natureza.
Também li muito sobre o país: livros, revistas, jornais, sites na internet. Tudo foi facilitado pelo fato de os argelinos serem bilíngües e boa parte dos jornais e revistas serem publicados em francês. Assim, não tive intermediários nos meus contatos, pude falar diretamente com as pessoas sem tradutor, ler os jornais, ouvir o rádio, assistir TV, o que deu uma idéia bastante real do país. O resultado final é um livro que não pretende ser acadêmico, mas transmite bastante informação, de uma maneira direta, com uma linguagem jornalística. Em resumo: não é chato, segundo quem já o leu, até porque não fala apenas de política e economia, mas mostra uma visão geral do país e do povo, incluindo costumes, culinária, criação do cavalo árabe, produção de tâmaras e uma atenção especial ao esforço argelino para aumentar o nível educacional da população etc.

Alfa Omega: Por que você decidiu escrever sobre a Argélia?
Ivan Godoy: Em primeiro lugar, sempre me incomodei pelo fato de muita gente dar opiniões superficiais sobre o mundo árabe, baseadas em preconceitos e lugares-comuns. As pessoas no ocidente geralmente não sabem que apenas 20% dos islâmicos são árabes. A maior nação islâmica é a Indonésia, com mais de 200 milhões de habitantes e que não é árabe. Outros exemplos são o Paquistão, a própria Índia, com uma importante minoria muçulmana e o Irã. Eu estava interessado em mostrar a realidade de um país islâmico moderno e laico, pois considero que existe uma visão errada de que estas nações constituem um bloco monolítico de regimes teocráticos e/ou ditaduras retrógradas. Há diferenças marcantes dentro do mundo islâmico, numa gradação que vai desde o desaparecido regime fanático dos talibãs, no Afeganistão, até a Argélia atual. Ou seja, se há ditaduras e monarquias absolutistas, também há democracias ou pelo menos processos de evolução que apontam para a democracia.

Continuar lendo Entrevista com Ivan Godoy, autor de Argélia Tradição e Modernidade